NOSSOS AUTORES

Tony de Sousa
Anton Souzarov, Autor de O Outro
Abril 2021

TONY FOTO.jpg

Tony de Sousa nasceu na Vila de São Sebastião, atual Governador Dix-Sept Rosado, no Rio Grande do Norte, em 1952. Estudou em Mossoró, Parnamirim e São Paulo, onde ingressou na carreira artística, inicialmente como ator, depois como assistente de direção cinematográfica e diretor cinematográfico. Formou-se em Letras, fez mestrado em Comunicação e Semiótica na PUC-SP e doutorado em Ciências da Comunicação na USP-SP. Foi professor de roteiro da Universidade Anhembi Morumbi. Dirigiu os curtas Magias das Tintas, Estações, A Boca do Cinema Paulista, O Fazedor de Fitas Inacabadas, Mary Jane e os longas Avesso do Avesso e Expresso para Aanhangaba. Autor dos livros Caminhos de Poeira e Estrelas, Vivendo de Cinema, Histórias que Mamãe Contava, O Rei do Mundo, O Perseguidor de Fantasmas, Boca do Cinema, A Casa, Escute o Silêncio, Vento Forte e A Incrível História de João de Souza, Vaqueiro da Paraíba na Terra da Garoa.

Tony de Sousa (9).jpg

Lembrando Jorge Luis Borges no conto Pierre Menard, Autor do Quixote, também Tony de Sousa seguiu essa linha para escrever Anton Souzarov, Autor de O Outro.

O escritor Anton, seguindo o conselho do ganhador do Prêmio Nobel de Literatura Orhan Pamuk, decide se isolar para escrever um livro que, segundo supõe, lhe trará o reconhecimento como escritor. Esse projeto era para levar alguns meses, mas vem se arrastando há anos. Ao romper o isolamento e ao entrar em contato com pessoas que também  estão em busca de realizarem  seus projetos artísticos ele começa, finalmente, a escrever o livro.

Nessa garra de se dedicar completamente à escrita,  surge inesperadamente um intruso que o leva a alterar seu rumo, tanto pela conscientização do seu próprio conhecimento quanto em inesperadas revelações.

Deobaldo Barbosa da Silva
Os versos são o meu universo
Maio 2021

foto ORELHA 2  DEOBALDO.jpg

DEOBALDO BARBOSA DA SILVA nasceu em Aracaju - SE, é escritor, teólogo e poeta. Bacharel em Teologia pelo Instituto Betel de Ensino Superior, convalidando na Universidade Claretiano, onde também é graduado em História e, atualmente, faz pós em História da Cultura. Livros publicados: O Bom Pastor; A conversão do Apóstolo Paulo e sua missão; Conversão, uma experiência, um chamado e uma escolha; Legado poético e Legado de poesias, contos e crônicas. Participou também de várias antologias.

OS VERSOS SÃO O MEU UNIVERSO.jpg

Quem conhece o trajeto do poeta Deobaldo logo reconhece a sua humildade. O despertar da poesia surgiu com a necessidade vital de se manifestar e alertar o próximo para que valores essenciais não se percam. A busca pela espiritualidade aproximou-o da poesia, levando-o a se importar com as injustiças sociais também, não poupando a sua revolta, explícita em versos.

Vem, aos poucos, definindo a sua missão no universo das palavras. Sabe que ao pegar a pena distribui a sua força e tem consciência de que essa força tem o poder de transformar, de provocar questionamentos. E o que é a função da poesia, senão lançar emoções e fazer refletir?

Recebam esse poeta, que aceita o aprendizado como parte da sua maturidade poética. 

Marco Arroyo
A Caminho do Império do Sol
- um diário de aventura e reflexões -
Maio 2021

WhatsApp Image 2022-03-01 at 12.55.03.jpeg

Marco Arroyo (1958), natural de Talcahuano, Chile, é cidadão brasileira naturalizado. Bacharelado em Teologia e Licenciatura em Pedagogia, com pós-graduação em Ciências Sociais e Religião pela UMESP. É professor de sociologia e consultor de planejamento estratégico. No tempo livre dedica-se à leitura e à escrita. Entre seus hobbies preferidos estão a fotografia, o cultivo de ervas medicinais, a coleção de máquinas fotográficas, selos e moedas. Adora cozinhar e preparar pratos típicos, populares e regionais, e sobretudo, contar estórias aos seus queridos netos.

A CAMINHO DO IMPERIO DO SOL.jpg

Quem espera encontrar neste livro de Marco Arroyo um simples roteiro de viagens será surpreendido. Sabemos da mística que envolve Machu Picchu, mas o que nos revela Marco está além dessa mágica que esperamos. Em detalhes, acompanhamos a descrição do caminho percorrido, quando aprendemos dados históricos, não de uma forma acadêmica, mas apresentados com o respeito de quem se entrega com amor ao aprendizado da história e cultura dos povos. Os lugares sagrados são pisados com reverência e sentidas as vibrações da ancestralidade. Com a suavidade do poeta que Marco é, os mistérios são transpassados e degustados com o deleite de um sábio. A aventura não se limita, estende-se a encontros inusitados e reflexões dignas de repensarmos a vida. Aproveitem a viagem e preparem-se para conhecer o que pode causar a leitura deste riquíssimo trajeto A CAMINHO DO IMPÉRIO DO SOL!

Poetizando o cotidiano
abril 2022

CAPA ESCOLHIDA.jpg

Muitos questionam a importância do poeta. Na antiguidade grega eram vistos como profetas, sábios, mensageiros dos deuses. Alguns até narraram a história do seu tempo através dos poemas. Estamos muito longe disso? Atentos a tudo à sua volta, são os primeiros a sentir a dor e a alegria; a registrar as injustiças e a pobreza de espírito, mas também a beleza e a calmaria. O versátil e intenso escritor de A Caminho do Império do Sol - Um diário de aventuras e reflexões nos privilegia agora com o que há de mais belo na sua alma inquieta de poeta. Neste Poetizando o cotidiano encontramos mensagens de amor, reflexões, perplexidade. A visão certeira e generosa nos alerta das disparidades sociais e o que gera a falta do bem. O poeta Marco Arroyo observa tudo com respeitoso sentimento, repensa a vida em cada olhar atento e nos devolve em poesia o retrato do cotidiano.

Claudete Foglietto
Caminhos para a maternidade
Março 2022

FOTO CLAUDETE FOGLIETTO.jpeg

Claudete Foglietto nasceu em 10/04/1970 em São Paulo, mudou-se recentemente para Bragança Paulista, a fim de equilibrar sua vida pessoal e profissional. Sempre incentivada pela família à leitura, profissionalizou-se nas áreas de Humanas, formando-se em Ciências Econômicas em 1993 e, posteriormente, em Direito em 2010. Atua como advogada, conciliadora e mediadora, especialmente no Direito de Família, fonte inesgotável de aprendizado. As situações enfrentadas com a questão da maternidade e a falta de material literário que tratasse do assunto, incentivou-a a escrever esse livro. A autora deseja que esta obra leve um pouco de alento, carinho e, especialmente, atenção às pessoas que passam pelas mesmas situações, pois sabe que elas querem ser acolhidas em suas questões mais íntimas, sem questionamentos, sentimentos de pena ou tristeza.  Que este livro seja um abraço fraterno! 

CAPA OK JPEG.jpg

Recai sobre as mulheres o estigma da maternidade.  Desde a infância, aprendem a cuidar das bonecas já idealizando o futuro.   Ouvimos frases, assim como clichês;  “quando nasce uma criança nasce uma mãe”, “ser mãe é padecer no paraíso”. Como se não houvesse outro destino, são preparadas para a continuação da espécie.  Quando não é possível, alguém pode imaginar o drama que isso pode causar? O sentimento de culpa, como  se  ela  fosse a única responsável.  E como aceitar essa limitação, como estar em paz consigo  diante da necessidade do seu “ser” em “ser mãe”?   O livro Caminhos para a maternidade, de Claudete Foglietto, responde com muita sensibilidade a esses questionamentos num relato emocionante, desde a tentativa de engravidar até sua decisão final.  A autora nos mostra um novo caminho, o da descoberta do amor.

FOTO JOÃO.jpg

João Raimundo Coutinho
Sala dos professores
- e outros casos de escola -
Junho 2022

 

João Raimundo Coutinho nasceu em 25 de junho de 1944 em Montes Claros, Estado de Minas Gerais. Formação em Letras pela USP. Professor aposentado da Rede Estadual de São Paulo e da PMSP. Escritos diversos publicados em antologias e vários periódicos regionais. Livro publicado: Miscelâneas em prosa e verso. Membro da Academia Contemporânea de Letras, cadeira nº 38, patrono: Lima Barreto.

1.jpg

A figura do professor geralmente é alvo de curiosidade, até para motivar os alunos a apontarem falhas em contrapartida à autoridade que ele representa.  A discrição tem que fazer parte da sua vida, caso contrário cai na berlinda dos julgamentos. Neste livro, Sala dos Professores – e outros casos de escola –, o autor nos apresenta um outro lado da sua trajetória como docente. Profundo observador da vida, na convivência entre colegas guardou, com respeito e amizade, as inevitáveis histórias que presenciou e ouviu nesse exercício. Lembra-nos, também, do direito a erros e acertos da nossa humanidade, independente da missão de vida escolhida.  Encantem-se com os tão bem detalhados “causos” colhidos na proveitosa estrada do professor João Raimundo Coutinho.